Conheça a história de Brendo Bispo, promessa do MMA nacional

0

Em entrevista exclusiva ao MMA Premium, o lutador falou sobre seu futuro: “Acredito muito que esse ano será decisivo para que eu cresça no esporte”

Brendo Bispo entrou no mundo da luta através da escola, aos 14 anos, com a capoeira. Depois começou a treinar jiu-jítsu, até chegar no MMA. O lutador vem de seis vitórias consecutivas, sendo as três últimas pelo Future e SFT, grandes eventos nacionais.

O lutador de 26 anos é uma das maiores promessas da Chute Boxe – Diego Lima, equipe recheada de talentos. Brendo tem uma rotina de treinos puxada na academia, mas está se adaptando e treinando como é possível durante a quarentena, em casa. Com um cartel de 18 vitórias e quatro derrotas, o peso-leve sonha em lutar pelo UFC e faz o possível para alcançar esse objetivo, trabalhando corpo e mente.

Em entrevista ao MMA Premium, o maranhense deu sua opinião sobre os eventos nacionais e patrocínios para lutadores de MMA no Brasil. Também falou sobre seu início no esporte, inspirações e metas para o futuro. Confira a entrevista exclusiva e conheça mais sobre Brendo Bispo, o peso-leve promissor no cenário nacional.

Brendo, há quanto tempo você luta MMA? Como foi seu início e o que te fez investir no esporte?

Estou no MMA profissional desde 2013. Comecei a treinar na minha cidade natal – Santa Inês, no Maranhão. Desde criança gostava de lutar, comecei na capoeira com 14 anos e com 16 comecei no jiu-jítsu. Eu trabalhava em um canil, o meu amigo e patrão na época treinava jiu-jítsu e começou a me ensinar. Depois de várias competições de kimono, comecei a treinar MMA e fiz minha primeira luta amadora aos 16 anos.

Sempre tive apoio dos meus pais e familiares, apesar das condições nem tão favoráveis para um atleta de MMA no Brasil.  Sempre acreditei que eu poderia estar um dia entre os melhores do país. Acredito muito que esse ano será decisivo para que eu cresça no esporte.

Você saiu do Maranhão para São Paulo em busca do crescimento. Quando e por que tomou essa decisão?

Eu saí do Maranhão com 17 anos de idade e fui treinar com o Charles do Bronx no Guarujá, em 2013. Foi uma época muito importante para a minha carreira. Conheci várias pessoas que hoje trabalham e treinam comigo, como o ‘Macaco’, Diego Lima, entre outros. Sempre quis estar em uma equipe que me fizesse evoluir e graças a Deus hoje faço parte da Chute Boxe.

Normalmente, como é sua rotina na Chute Boxe? Agora, devido ao novo coronavírus, eventos foram cancelados/adiados e academias fechadas. Como está sua rotina nesse período? Está conseguindo manter o foco?

Não é a mesma coisa, claro. Mas estou treinando como posso, treinando manopla, corrida, tenho um tatame em casa, treino repetições de jiu-jítsu com minha esposa. Enfim, estou com saudade dos treinos na academia, mas estou aproveitando cada segundo no conforto de casa, sou caseiro (risos).  

Ver essa foto no Instagram

Boxing training @leealves.boxe #chuteboxediegolima

Uma publicação compartilhada por Brendo Bispo (@themonstercb) em

Na Chute Boxe minha rotina é muito puxada, sinceramente nunca treinei tão duro em outro lugar. Tenho parceiros de treino que dispensam comentários, atletas do UFC, Brave e a maioria brilhando no nacional. Atletas bons de jiu-jítsu, wrestling, muay thai e boxe, graças a Deus estou no lugar perfeito.

Sem falar no coach Diego Lima, um grande empresário, treinador e amigo.

Quem é a sua inspiração no esporte?

Sou fã de muita gente do mundo da luta, lendas como Fedor, Jones, Mike Tyson, Ali, Rickson Gracie, eu mesmo e ‘Macaco’, o vovô da Chute boxe (risos). Mas em 2011, botei na cabeça que queria lutar inspirado no meu amigo de treino, Charles do Bronx, que está em um ótimo momento da carreira.

Você vem de vitórias no Future e SFT. Qual é sua opinião sobre o cenário dos eventos no Brasil?

Fiz uma luta muito dura na minha volta, depois de dois anos parado, em março, no Future, e venci por decisão. No SFT, em maio do ano passado, venci no primeiro round. E em julho, no Future de novo, finalizei mais uma. Venho de três vitórias no ano passado que me deram um salto enorme.

O cenário nacional vem melhorando aos poucos, bons eventos chegaram com tudo, conquistando todo o público e o coração dos atletas. Como Future MMA, por exemplo. O SFT é outro que é muito desejado, um grande evento.

E com os patrocínios? Qual é o tamanho da dificuldade dos lutadores hoje no Brasil?

Tenho alguns amigos que apoiam meu trabalho. Darwin6 com a minha suplementação, tenho o Pasqualloto que é o nutricionista que cuida da minha dieta, Caio meu fisioterapeuta do Instituto Vita, todos aqui de São Paulo. Tenho um grande amigo, o Dr. Felipe Aires, que é lá da minha terra e cuida de mim e de outros atletas daqui da Chute Boxe. Mas é muito difícil, o esporte cresce todo dia, sempre tem gente nova, evento novo, então fica bem concorrido. Não é fácil caminhar sozinho nessa!

Quando as competições retornarem, quais serão seus próximos passos? Quais são suas metas e sonhos no MMA?

Quando os eventos retornarem já quero lutar de imediato, já estou me mantendo treinando em casa e me alimentando bem. Sem dúvidas quero lutar no UFC em breve. Não sei quando, mas quando Deus me permitir, estarei pronto!

Eu treino, me alimento, medito e mentalizo pensando em me tornar um atleta melhor, completo, atento, rápido e forte mentalmente. Atleta não tem bastante tempo de auge na carreira, mas quero aproveitar o máximo pra fazer valer à pena minha trajetória.

Relembre o último desafio do Brendo Bispo, com vitória no Future FC:

Share.

About Author

Avatar