Nicolle Caliari fala sobre sua superação e novas perspectivas para próxima luta

0

Com apenas 22 anos, Nicolle Caliari possuí 6 lutas, 4 vitórias e 2 derrotas no MMA, sendo a última recentemente no Invicta. No dia 08 de março, a Gladiadora do Paraná enfrentará Quelia Melo em uma luta de K-1 no Cidade da Luta.

Assim, Nicolle Caliari fala sobre aprendizado, preparação e estratégias:

“A última luta de MMA que fiz no Invicta, foi superação a todo momento. Foi uma menina muito dura no jiu-jítsu e wrestling, e era anti jogo e acredito que não era muito meu dia! (risos) a gente sente.

Na verdade levo muita coisa de aprendizado, eu não bati o peso fiquei 100g acima, então já mudei minha forma de perder peso. Vou tentar de uma maneira diferente. Preciso focar um pouco mais na parte das quedas e chão, mas acho que a maior mudança está mesmo na minha cabeça. Às vezes a gente luta com medo do que a adversária vai fazer, eu sabia que ela ia fazer o que ela fez, e entrei com medo de ser quedada porque ela oferecia este risco no chão e fui quedada e foquei nisso, e na verdade eu deveria ter focado no que eu era boa e não no que ela era, e devia ter acreditado mais nisso”, enfatiza a atleta.

O que esperar de você nesse próximo combate?

Minha próxima luta de k-1 é uma luta boa, para eu iniciar o ritmo de competição do ano, quero fazer mais lutas de k-1, jiu-jítsu, e tudo e que eu puder competir fora o mma, é importante, pra ganhar confiança e ritmo. Eu espero que seja uma luta boa, quero dar o meu melhor, e sair com a vitória.

Como esta a preparação? O que esta sendo mais difícil neste momento?

Eu estou treinando muito, como sempre, tenho minha rotina pesada de treino, também estudo, trabalho, então é tudo bem puxado, mas eu me dedico em tudo que eu faço, então tenho dado o melhor de mim em tudo.
O que eu mais sofro e acho que a maioria dos atletas, é o peso, eu tenho um porcentual de gordura baixo, e uma estrutura óssea bem pesada, ou seja, meu peso é alto, mas não tenho muito o que perder em gordura, então a maioria é desidratação, e é aí que eu sofro.

Como é o peso de lutar no Brasil, depois de lutar fora?

Não existe peso, eu amo lutar aqui, se eu pudesse escolher eu lutaria só aqui, não há nada melhor do que lutar na sua cidade, recuperar seu peso com a comida que você sabe como foi preparada, ter a torcida, poder dormir no conforto da sua casa antes da luta, ter o apoio da sua família, enfim, inúmeras “vantagens” que fazer com que lutar aqui seja muito melhor.

Além do ponto positivo de lutar em sua cidade, Nicolle Caliari conta com o total apoio de seu noivo, também atleta do Brave, Marcel Adur:


“Eu e o Marcel nos apoiamos MUITO, ele me incentiva eu incentivo ele. Nós dois somos bem focados, não acho que tenha um mais focado que o outro, acho que se tem luta minha marcada o foco é em mim, e nós dois nos concentramos nisso, se a luta é dele vice e versa, e se os dois tem luta marcada um apoia o outro mas cada um focado no seu objetivo”

Assista o combate de Kickboxing de Nicolle Caliari no WGP 57:

Share.

About Author

Vanessa Guastaferro

Formada em Jornalismo, atuando nas editorias de Esportes, Terceiro Setor e Assessoria de Atletas.