Artigo: Transmissões por lives são o presente e o futuro do MMA Nacional?

0

Atualmente,com a pandemia do COVID-19 os eventos com público estão sem data para retornarem. Ademais, o UFC retornou sem a presença dos fãs, mas a organização possui a imensa força das TVs ao redor do mundo.

E o MMA nacional?

No MMA nacional possuímos alguns cenários na questão das transmissões, os grandes eventos são exibidos em diversas fontes. No canal Combate temos o Taura MMA, Max Fight, Shooto Brasil entre outros, já na TV aberta o SFT é exibido na Band, mas transmite o card ao vivo no Youtube também. O Jungle Fight tem parte do card exibido na TV fechada pelo canal Woo Hoo e também na plataforma de Streaming DAZN. Em outra pegada, o Future MMA possui seu próprio aplicativo para a exibição dos eventos ao vivo e também transmite via Youtube.

Mas e os eventos de pequeno e médio porte do MMA nacional que necessitam da bilheteria, muitas vezes para pagar os atletas, como ficam? Será que teremos uma queda vertiginosa de eventos de MMA nos próximos tempos ou será possível contornar a situação? Pois sem os pequenos eventos será muito mais difícil o surgimento de novos atletas no cenário nacional.

As transmissões por Live via redes sociais como Youtube e/ou Facebook são as tendências do momento, mas podem ser uma saída para os eventos de pequeno e médio porte do MMA nacional? Apesar de ser necessário um investimento considerável em equipamentos e pessoal, eventos via streaming podem gerar retorno financeiro através de diversas formas, como por exemplo: publicidade nas transmissões ou adotar um sistema de PPV.

Veja alguns dados sobre os canais do Youtube de dois grandes eventos de MMA*:

  • SFTbrasil: (veja aqui)
    • Seguidores: 23,9 mil inscritos
    • Número Total de Visualizações: 1.801.868 visualizações
  • Future MMA: (veja aqui)
    • Seguidores: 11,1 mil inscritos
    • Número Total de Visualizações: 1.642.115 visualizações
  • *Dados disponíveis no Youtube no dia 17/05/2020.

Assim, aos observamos os números dos principais eventos do MMA nacional com transmissões via Youtube, podemos constatar que somados os canais passam de 3 milhões de visualizações o que reforça ainda mais que existe um público para MMA muito grande no Brasil.

Para saber como está a realidade dos eventos, conversamos com Márcio Miranda organizador do X-Fest MMA, um dos eventos mais tradicionais do MMA gaúcho. Seguindo todas as normas de saúde, Márcio afirma que transmissões via streaming é a uma saída para a realização dos eventos de MMA:

Sim claro, inclusive estamos aguardando para podermos trabalhar em cima deste modelo de transmissão na edição de Cachoeirinha. Precisamos nos reinventar, temos algumas ideias, espero que autorizem.

Matchmaker do SFT e com muita experiência nos eventos do MMA nacional, Magno Wilson deu sua opinião sobre o cenário brasileiro:

Sobre o futuro os pequenos eventos não sobrevivem sem bilheteria mesmo o menor dos eventos tem um custo alto para fazer seu evento, por isso que muitos se vendem aos atletas que vendem ingressos e acaba montando cartel. Um saída seria a saída de pay-per-view, mas com a qualidade do card montado 50/50 das vendas das transmissões não se pagaria. Eventos como SFT, Shooto, Future, Jungle se manteriam pois já não contam com bilheteria. Thunder talvez com emendas públicas, mas o país do jeito que está usar emenda pública para fazer MMA é errado ao meu ver. Ou seja quanto mais demorar para voltar ao normal mais tarde o jovem atleta, o atleta mediano ou atleta sem carisma vai ser afastado.

As próximas semanas devem ser de novidades no MMA nacional, pois com o retorno do UFC nos Estados Unidos o mercado voltou a ficar em evidência. Esperamos que os eventos retornem, mas observando e cumprindo as normas de saúde, pois se o MMA entrar no boom das lives pode ajudar a difundir ainda mais o MMA entre o público em geral.

E aí, caro leitor, qual sua opinião sobre as transmissões via Streaming e a retomada do MMA nacional?

Share.

About Author

Claiton Freitas

Um jovem gaúcho apaixonado pelo mundo das artes marciais mistas.